Sinopse

Com o decorrer dos tempos e a melhoria das condições económicas, sociais, culturais, científicas e tecnológicas para extinguir as doenças mais mortíferas que todos os dias pesavam sobre os humanos, qual espada de Demoles permanentemente apontada à cabeça, o grande investimento tem vindo a ser em medidas de toda a ordem, visando prevenir a doença e promover a saúde. Aliás, sobretudo nas sociedades ultramodernas, a saúde tem-se vindo a transformar num dos valores cruciais dos indivíduos e das sociedades em geral. A ideia segundo a qual a humanidade poderia vencer inteiramente as doenças, ainda que não conseguisse vencer a morte, está fortemente arreigada no contexto das Luzes e no processo de racionalização e da modernidade que desde então se tem prosseguido (M. Drulhe, 1996). Durante o século XX a humanidade ocidental ganhou à morte cerca de 30 e mais anos, como aconteceu, por exemplo, entre nós, graças ao investimento na melhoria das condições sociais de existência e aos avanços da ciência e da medicina em particular. Este projecto tem mobilizado cada vez mais um conjunto de energias e de políticas com particular destaque para as que se relacionam directamente com a saúde e o viver humano e social. Podemos mesmo dizer que, a este propósito, as aspirações humanas são hoje ilimitadas para a generalidade dos cidadãos. Esta insatisfação que para o ser humano se pode confundir com a sua ânsia de viver está bem patente nas exigências em torno da saúde e dos respectivos serviços. Conservar a vida nas melhores condições possíveis adveio uma exigência sócio-política fundamental, em virtude da importância que se atribui à vida a transbordar de saúde. Por sua vez, neste contexto inflacionista, as políticas são chamadas a fazer face a cada vez mais problemas que, ainda há bem pouco tempo, nem sequer se inscreviam no âmbito da doença e da saúde.

Brand

Maria Engrácia Leandro

Mestre em Antropologia Social e Cultural. Doutorada em Sociologia pela Universidade René descartes, Sorbone - Paris. Professora catedrática da Universidade do Minho desde 2001.
Engrácia
Peso 0.4 kg
ISBN:

Edição:

Local/ Ano:

Páginas:

Idioma:

Dimensões:

Encardenação:

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Saúde no Prisma da Sociologia”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Seja um Autor PsicoSoma!

Com mais de 50 títulos técnicos editados, a sua obra pode fazer parte de um leque de referência a nível nacional!