Publicado Por :

Julien Diogo

75252890_3591210064226198_5527743882000859136_o

Lançamento Intervenção Colaborativa na Terapia da Fala em Coimbra

Lançamento Intervenção Colaborativa na Terapia da Fala em Coimbra 2048 1365 Julien Diogo

O livro “Intervenção Colaborativa da Terapia da Fala na Ortodontia” da autora Joana Carvalho foi apresentado ao público no dia 27 de Outubro, na FNAC no Fórum Coimbra, às 16h00.

Prático, intuitivo, dinâmico e orientador são os adjetivos que a autora utiliza para descrever este guia de bases e princípios que inclui exercícios de implementação (padrão de respiração nasal, exercícios para aumento da mobilidade/força labial e língual, posicionamento língual, entre outros).

A relação entre estas duas áreas, ortodontia e terapia da fala, ainda é recente em Portugal, no entanto, a colaboração entre as duas tem vindo a alcançar resultados bastante satisfatórios, o que torna este livro numa ferramenta importante de aprendizagem e auxílio.

Joana Carvalho considera que “este livro seja uma mais valia tanto para os profissionais da área da terapia da fala como da ortodontia para que cada um possa compreender de que forma as duas áreas podem intervir em parceria e paralelismo, permitindo resultados otimizados para os utentes que acompanham”.

Captura de ecrã 2019-09-09, às 09.36.36Segundo a autora um dos objetivos do livro é que este possa ser uma referência para os colegas terapeutas da fala, outro é que este possa demonstrar aos colegas ortodontistas que a “intervenção do terapeuta da fala é uma mais valia, e que o que se pretende é que mais facilmente se façam encaminhamentos bi-direcionais, sempre no maior interesse do utente e suas famílias”.

Todos os exercícios propostos no livro pressupõem a realização dos mesmos com base num padrão (material necessário, objetivo e procedimento) que é treinado com o utente, de forma a obter os melhores resultados possíveis.

Este livro é destinado a profissionais de diferentes áreas, tais como, médicos dentistas, ortodontistas, fisioterapeutas, cirurgiões maxila-faciais, membros das equipas terapêuticas e a todos os utentes e famílias.

Poderá encomendar o seu livro em https://psicosoma.pt/editora/intervencao-colaborativa-terapia-fala-ortodontia

E acompanhar a página Facebook do livro em https://www.facebook.com/intervencaocolaborativadaterapiadafalanaortodontia/

SejaAutor-01

Seja um Autor PsicoSoma

Seja um Autor PsicoSoma 2048 2896 Julien Diogo

A PsicoSoma conta atualmente com mais de 60 livros no seu catálogo editorial, em áreas como a Educação, Educação Especial, Saúde, Ciências Sociais, Psicologia, Marketing, Neurociência Cognitiva Aplicada, entre outras.

“Apostamos no conhecimento, visando uma representação de investigadores, professores, técnicos e outros profissionais que desenvolvem diariamente práticas inovadoras e constroem atividades para outros profissionais”, refere Dora Gouveia, responsável pelo processo editorial PsicoSoma.

Desta forma, existe uma forte preocupação com a necessidade de aliar a componente teórica a uma componente de caracter prático, através de programas, planos ou exercícios, isto porque os nossos leitores procuram cada vez mais “como fazer”.

Numa primeira abordagem recebemos as ideias, com draft (índice e resumo), estabelecemos uma estimativa de nº de páginas, e analisamos a pertinência editorial para dar o início ao processo. 

Ao longo do nosso processo o autor poderá contar com o Registo ISBN, Paginação, Design do Livro e Capa, Entrega de Prova (mono) para correções, Revisão e Correção de Erros e na reta final a Produção e Entrega.

Associado a cada livro criarmos um Plano de Comunicação que envolve: identidade de comunicação (cartaz, banner, vídeo…), criação de página de Facebook do livro, agendamento de apresentações e lançamentos, presença em eventos científicos, aulas livres, etc… presença em eventos PsicoSoma, e em diversas livrarias pelo país fora (FNAC, Wook, Porto Editora…).

Para mais informações contacte Dora Gouveia – editora@psicosoma.pt / 232 431 060

 

deea3d95-5702-45fd-87fb-2919a129ac7d

PsicoSoma nas 6ª Conversas de Psicologia 2019

PsicoSoma nas 6ª Conversas de Psicologia 2019 1357 1920 Julien Diogo

A PsicoSoma irá marcar presença no 6.º Congresso (Inter)Nacional Conversas de Psicologia, a decorrer nos dias 5 e 6 de novembro, em Coimbra.

“Este ano teremos muitos convidados especiais no nosso 6º CONGRESSO NACIONAL CONVERSAS DE PSICOLOGIA.
Teremos ainda a Cerimónia Solene do 6º Aniversário APCDP e a entrega do Prémio Carreira ao Dr. Fernando Edilásio Pocinho.”, refere a organização.

Para mais informações e inscrições vejam em http://www.cncdp.net/  / conversasdepsicologia@gmail.com
72457827_2113113052328515_7775265268309164032_n

PIEC na FNAC Coimbra

PIEC na FNAC Coimbra 720 960 Julien Diogo

“Realizou-se na FNAC Coimbra, no Shopping Fórum Coimbra, o lançamento do PIEC, rodeada de pessoas incríveis e que estarão sempre no meu coração”, é assim que Susana Duarte, autora do PIEC – Protocolo Individual de Estimulação Cognitiva, descreve o evento.

Marcaram presença várias dezenas de curiosos, bem como a Dra Maria José Hespanha e a Dra Mónica Nave na mesa de apresentações do livro.

Para Susana Duarte, “os presentes fizeram deste dia mais um dia incrível para juntar ao meu percurso pessoal e profissional, prometo-lhes continuar a tentar ser sempre melhor profissional”.

Contributos da Neurociencia

Contributos da Neurociência na Formação

Contributos da Neurociência na Formação 800 800 Julien Diogo

Num mundo cada vez hiperconectado, onde as sociedades são cada mais designadas como VUCA, o processo de aprendizagem é cada vez mais complexo e alvo de elementos dinâmicos e estranhos que acabam por desafiar tanto Facilitadores como Formandos. 

O ser humano é dotado de neuroplasticidade, o que permite a capacidade contínua de mudança do cérebro e na reorganização dos neurónios, que são influenciados por mudanças sociais, ambientais, experimentais, físicas e lesões graves. A título de curiosidade, e de modo a entender melhor a neuroplasticidade, é necessário analisar mais profundamente o sistema nervoso do ser humano. Com base num estudo feito em macacos, realizado por Michael Merzenich, neurocientista norte-americano (Califórnia), foi demonstrado que uma lesão grave, como a amputação de um um dedo, causa atrofia dos neurónios responsáveis pela região amputada. No entanto, posteriormente, os neurónios encarregues do dedo do lado, acabavam por assumir as funções.

Desta forma, podemos compreender que todos nós aprendemos até ao final da nossa vida, por isso os vossos formandos também 🙂

É então o desafio para os Facilitadores de TOPO apresentar e trabalhar o conhecimento e competências num formato em que o cérebro aprenda melhor, mais rápido e seja capaz de reter a mesma. Promover uma aprendizagem significativa tem como substrato biológico a reorganização das conexões entre os neurônios, a neurogênese e a aplicação ampla do conceito de neuroplasticidade.” (Oliveira, 2014)

Como aprende o cérebro ?

O cérebro é um dos órgãos mais fascinantes do corpo humano, sendo o responsável por comandar o nosso sistema, através de memórias, pensamentos, ações, linguagem, sentimentos, entre outros elementos. A mente humana continua a ser, em parte, um mistério, que é constantemente alvo de estudos, de modo a tentar perceber melhor como esta funciona.

Oliveira (2014) refere que “o que se tem comprovado é que, entre o nascimento e a adolescência, novos neurónios serão acrescentados ao cérebro, novos circuitos neuronais serão construídos em consequência da interação com o ambiente e da estimulação adequada. Este processo desacelera no adulto, mas não é interrompido durante toda a vida, sendo conhecido como neuroplasticidade.”

Apesar da sua complexidade, o cérebro é responsável por várias e diferentes funções, tais como, sentir, ver, respirar, raciocinar e movimentar. Este vai sendo treinado ao longo da vida e vai aprendendo através de exercícios, experiências, interesse, curiosidade, motivação e repetição.

Os Sentidos e a sua importância na aprendizagem do adulto 

Os cincos sentidos (mais amplamente validados), visão, audição, tacto, olfato e paladar, no processo de aprendizagem têm um papel fulcral, sendo eles os responsáveis por estimularem o cérebro.

A visão é o sentido mais importante neste processo, seguido da audição, sendo estes os principais canais de acesso à informação. No entanto, cada sentido tem a sua relevância, podendo cada um deles ser estimulado de forma diferente, contribuindo para uma melhor aprendizagem.

Atividades ou dinâmicas que tenham como objetivo a estimulação dos sentidos, são um bom método para estimular a inteligência e a criatividade dos formandos. Até porque, as pessoas (crianças e adultos) aprendem melhor quando a informação que estão a receber é processada por mais de um sentido ao mesmo tempo (por exemplo, audição e visão em simultâneo. 

O estimulo sensorial contribui para o desenvolvimento linguístico, cognitivo, social e emocional.

O que considerar na relação Neurociência na Aprendizagem

O formando como ser Social

A natureza social é uma das principais características da espécie humana, assumindo-se mesmo como um aspeto fulcral na sobrevivência e na reprodução do ser humano. À semelhança do que sucede com vários animais que manifestam, em menor ou maior grau, comportamentos sociais, o cérebro humano reinventou-se e desenvolveu mecanismos dedicados à socialização e respetivas componentes que é comprovada pela existência do neocórtex (a camada do cérebro mais recente de uma perspetiva evolutiva), uma extensa camada cortical que surgiu como resposta às exigências da vida em grupo e sociedade que o Homem enfrentou ao longo da sua história.

Damásio (2010) define as emoções sociais “como estados mais discriminativos e complexos, sendo um conjunto de sentimentos mais subjetivos, incluindo emoções como a pena, a vergonha, o embaraço, a culpa, o orgulho, a inveja, a gratidão, a admiração, a indignação e o desprezo. Surgem do resultado de um relacionamento entre um comportamento e um significado emocional, que pode ser apropriado num determinado contexto, mas ilógico noutro.”

Dica Emoções Sociais: Permitir momentos de apresentação pessoal face ao grupo, momentos com recurso a Dinâmicas de Grupo, criar jogos de consolidação pedagógica, abrir momentos de partilha fora do horário da sala (lanches, pausas para café…). 

Emoção

A emoção é uma das bases do ser humano e a inteligência humana está conectada a esta, pois a primeira interfere diretamente na segunda, através da cognição. O nível de emoção é responsável pelo nível de memória, quanto mais emoção uma situação tem, mais facilmente a pessoa irá se lembrar dela. Em contexto de formação, é um aspeto importante para o desenvolvimento intelectual e que permite aos formadores perceber de que forma os formandos estes estão a ser instigados.

Dica Emoção: Diversificar de recursos é permitir um processo de aprendizagem mais confortável aos formandos, podendo esses serem mais cinestésicos, visuais ou auditivos. É assim importante a mescla de recursos mais tradicionais ou disruptivos, como Lego, Playmobil, Plasticina, Flash Cards, Mapas Mentais, visualização de Séries, Músicas ou ainda Jogos de Consolas. A juntar a tudo isso é indispensável: Boa disposição e Energia do Facilitador – Comportamento gera Comportamento. 

Motivação

A motivação é uma das chaves de sucesso para a aprendizagem, o formando quando se sente motivado, a atenção deste é automaticamente mobilizada. Se o conteúdo for aborrecido, desinteressante, interfere no sucesso da aprendizagem, o formando fica mais desmotivado. Para combater esta tendência, é fulcral que se disponibilizem conteúdos estimulantes e que se realizem atividades dinâmicas/criativas que gerem o factor motivação nos formandos.

Dica Motivação: Valorizar a partilha das experiências dos formandos irá permitir ao facilitador criar elos de ligação ao longo da formação, aumentando o sentimento de pertença dos formandos. É ainda importante projetar usabilidade nos casos que são trazidos e nos conteúdos que são trabalhados, procurando sempre a ligação entre Saber e Competência. 

Atenção

A atenção está ligada ao ponto anterior, a motivação, e é essencial de forma a que o conhecimento seja adquirido, porque o cérebro só adquire informação, quando a pessoa está atenta. A falta de atenção pode ser causada por dois fatores: falta de disciplina ou falta de estímulo/interesse.

“No decorrer do processo de desenvolvimento, a atenção passa de automática para dirigida, sendo orientada de forma intencional e estreitamente relacionada com o pensamento. Ou seja, ela sofre influência dos símbolos de um meio cultural, que acaba por orientá-la. Atenção e memória se desenvolvem de modo interdependente, num processo de progressiva intelectualização.” Vygotsky 

Dica Atenção: Conseguir a atenção é hoje um desafio enorme, sugerimos ciclos curtos de abordagem aos temas, de 20 a 25 minutos (ver Técnica do Pomodoro), uma pausa de 5 minutos e retomar a outro ciclo. Para despertar a curiosidade e prender a atenção sugerimos o site https://curious.com/ onde pode aprender algo em 5, 15 ou 30 minutos todos os dias. 

Memória

A memória dá-se através do processo de repetição, ou seja, a pessoa memoriza uma informação , criando assim pontos de ancoragem. As memórias não surgem apenas durante o processamento de informações, pois ocorrem também através de experiências, por exemplo, quando um determinado conteúdo afeta de alguma informação. A repetição da informação contribui também para a criação de memórias.

Dica de Memória: escrever é ainda um aspecto interessante que consolida a memória, por isso o uso de papel e atividades em papel, como Mapas Mentais, Flash Card ou ainda Esquemas são de elevada importância. Utilizar acrônimos, são palavras formadas por letras que representam, por sua vez, outras palavras. A ferramenta de gestão CHA (Conhecimento, Habilidade e Atitude) é um exemplo. Criar ligações (flexibilidade cognitiva), quanto mais ligações o formando realizar entre os seus conhecimentos prévios, mais facilmente irá memorizar uma novidade, (Make It Stick: The Science Of Successful Learning, Peter Brown, Henry Roediger e Mark McDaniel). 

©PsicoSoma 2019

15 anos

A PsicoSoma festeja 15 anos

A PsicoSoma festeja 15 anos 800 800 Julien Diogo

A PsicoSoma surgiu em Viseu em 2004, a 20 de setembro, com um objetivo bem definido: o de revolucionar o setor da saúde e educação, com base na neurociência cognitiva aplicada.

Escrever hoje este artigo é agradecer a todos que acreditam diariamente no nosso trabalho, criatividade e validação, OBRIGADO aos clientes, parceiros, formadores, autores, fornecedores e claro a todos os nossos colaboradores passados e presentes.

Uma ideia que foi desde logo aceite da melhor forma pela comunidade de Viseu, através da qual a PsicoSoma desenvolveu uma esfera de serviços inovadores e complementares, como editora técnica, formação profissional, bem como serviços relacionados com educação especial, psicologia ou ainda consumo.

Ao longo destes 15 anos, o trabalhou norteou-se sempre com base nas neurociências cognitivas aplicadas, permitindo assim a edição de mais 60 obras PsicoSoma, a comercialização de mais de 10.000 títulos técnicos, criação e idealização de mais de 20 conceitos de negócio, investigação na área do consumo, a formação profissional de mais de 3.000 pessoas, e ainda cerca de 35 eventos científicos.

Com forte presença no território nacional, com unidades e agentes estratégicos em Aveiro, Braga, Coimbra, Lisboa, Porto e Viseu, e com cobertura nacional pela via de parcerias, apresenta ainda desde 2011 presença na América do Sul, na Colômbia, na cidade de Barranquilla e no Brasil, desde de 2015, em São Paulo e Campinas.

Todo o conceito PsicoSoma foi consolidado nestes últimos anos em torno das neurociências aplicadas, com o criação da spin off ICN Agency – Intelligence Consumer Neuroscience Agency, Lda, através da qual desenvolvem-se investigações, criam-se novas ferramentas de intervenção e análise de mercado, sendo que os restantes serviços e produtos surgem como suporte teórico e formativo.

Nos últimos dois anos, a marca procurou uma forte expansão territorial, nomeadamente no Brasil, onde o conceito e suas metodologias foram bem aceites quer na dimensão de consumo quer na dimensão de formação, encontrando por lá clientes, parceiros e novos sócios.

Hoje, a PsicoSoma conta com três profissionais no board da empresa, Fernando Rodrigues, Julien Diogo e Daniel de Araújo, o mais recente membro que traz consigo a experiência de tecnologia e comunicação do Brasil.

Já pensando nos próximos anos a PsicoSoma tem em carteira a criação de um MarketPlace focado apenas e só na produção e partilha de conhecimento com base em Neurociência Cognitiva Aplicada em setores como a Educação, Envelhecimento e Consumo, bem como novos serviços de recolha e análise de dados biométricos via ICN Agency.

O futuro é hoje, e os olhos e cérebros estão postos lá!

Fiquem por perto, contamos com vocês, e precisamos de vocês!

70885903_2098436357129518_6477137619573538816_o

Apresentação PIEC

Apresentação PIEC 2048 1365 Julien Diogo

A “Associação de Apoio Voluntário ao Idoso Só” em Castelo Branco recebe, recebeu no dia 14 de Setembro, pelas 10h30, a apresentação do livro Protocolo Individual de Estimulação Cognitiva (PIEC), de Susana Duarte.

Susana Duarte apresentou a sua obra, um trabalho que a mesma carateriza como sendo o “reflexo de anos de dedicação ao desenvolvimento de soluções na área da geriatria”. Um Protocolo inovador, uma ferramenta de orientação, com 25 sessões práticas e cerca de 250 sugestões de atividades, que tem como objetivo melhorar, através da estimulação cognitiva, a qualidade de vida e o nível de autonomia de pessoas com funções cognitivas limitadas.

No final da apresentação, a autora Susana deixou agradecimentos a vários presentes “Antes de mais agradecer ao Dr. Carlos Borga, Dra Ana Sofia Freitas, Dra Sara Alvarinhas e à excelente vocalista Cláudia Viriato pelo privilégios de os ter neste primeiro lançamento do PIEC. Agradecer a Dra Eliane Campos por toda a disponibilidade e apoio que me deu para que este evento fosse perfeito! Agradecer a fantástica Joana Francisco pelas fotografias maravilhosas! Agradecer a todos os que estiveram presentes comigo neste dia, sem vocês nada da alegria e boa disposição que se viveu neste dia teria sido possível. Sinto-me extremamente grata!!! Obrigada a todos que a vida vos seja leve, serena e repleta de momentos felizes!”

Para ter mais informações acerca do livro basta seguir o presente link https://psicosoma.pt/editora/piec-protocolo-individual-de-estimulacao-cognitiva

 

3D

Intervenção Colaborativa da Terapia da Fala na Ortodontia, de Joana Carvalho

Intervenção Colaborativa da Terapia da Fala na Ortodontia, de Joana Carvalho 709 958 Julien Diogo

O livro “Intervenção Colaborativa da Terapia da Fala na Ortodontia” da autora Joana Carvalho é a mais recente novidade no catálogo da PsicoSoma.

13524504_1128390610532907_8214300920007692657_nJoana Carvalho é terapeuta da fala desde 2011 e concluiu a licenciatura e o Mestrado em Ciências de Saúde na Universidade de Aveiro.

Prático, intuivo, dinâmico e orientador são os adjetivos que a autora utiliza para descrever este guia de bases e princípios que inclui exercícios de implementação (padrão de respiração nasal, exercícios para aumento da mobilidade/força labial e língual, posicionamento língual, entre outros).

A relação entre estas duas áreas, ortodontia e terapia da fala, ainda é recente em Portugal, no entanto, a colaboração entre as duas tem vindo a alcançar resultados bastante satisfatórios, o que torna este livro numa ferramenta importante de aprendizagem e auxílio.

Joana Carvalho considera que “este livro seja uma mais valia tanto para os profissionais da área da terapia da fala como da ortodontia para que cada um possa compreender de que forma as duas áreas podem intervir em parceria e paralelismo, permitindo resultados otimizados para os utentes que acompanham”.

Captura de ecrã 2019-09-09, às 09.36.36Segundo a autora um dos objetivos do livro é que este possa ser uma referência para os colegas terapeutas da fala, outro é que este possa demonstrar aos colegas ortodontistas que a “intervenção do terapeuta da fala é uma mais valia, e que o que se pretende é que mais facilmente se façam encaminhamentos bi-direcionais, sempre no maior interesse do utente e suas famílias”.

Todos os exercícios propostos no livro pressupõem a realização dos mesmos com base num padrão (material necessário, objetivo e procedimento) que é treinado com o utente, de forma a obter os melhores resultados possíveis.

Este livro é destinado a profissionais de diferentes áreas, tais como, médicos dentistas, ortodontistas, fisioterapeutas, cirurgiões maxila-faciais, membros das equipas terapêuticas e a todos os utentes e famílias.

Poderá encomendar o seu livro em https://psicosoma.pt/editora/intervencao-colaborativa-terapia-fala-ortodontia

E acompanhar a página Facebook do livro em https://www.facebook.com/intervencaocolaborativadaterapiadafalanaortodontia/

CAMPANHA_CARTAZ

CAMPANHA REGRESSO ÀS AULAS : O REGRESSO É PARA PROFESSORES TAMBÉM !

CAMPANHA REGRESSO ÀS AULAS : O REGRESSO É PARA PROFESSORES TAMBÉM ! 794 1123 Julien Diogo

Setembro é o mês do regresso às aulas, para as crianças é altura de reencontrar e conhecer novos colegas, para os professores é altura de preparar mais um ano letivo, composto por momentos de partilha e de conhecimento e nada melhor do que começar o início do ano com os melhores recursos didáticos.

DESCONTO ATÉ 30% na Loja Online e PsicoSoma

Por isso, a pensar nos professores e no regresso às aulas, a PsicoSoma oferece um desconto ATÉ 30%** em todos os livros (não inclui novidades). Aproveite esta oportunidade e usufrua desta promoção. Visite a nossa loja online e consulte o nosso catálogo, onde pode encontrar uma diversidade de livros técnicos em áreas como a Educação, Educação Especial, Gerontologia, Neurociências Aplicadas, Marketing, Psicologia e Saúde.

A PsicoSoma caracteriza-se por ser uma Editora Técnica sediada no centro do país, na cidade de Viseu. Damos uma importância acrescida à componente prática que cada obra pode oferecer garantindo uma maior proximidade com o leitor e dando viabilidade ao trabalho do autor na medida em que este se transforma num guia orientador próximo do leitor.

Consulte a nossa LOJA ONLINE  ou contacte através editora@psicosoma.pt

** Promoção válida de 11 de Setembro a 15 de Outubro (não inclui livros novidades).

70854343_2622947104437001_3513635113323724800_o

Como Aprende o Cérebro? Memória, Atenção e Ligação

Como Aprende o Cérebro? Memória, Atenção e Ligação 2048 971 Julien Diogo

Como Aprende o Cérebro? Memória, Atenção e Ligação, dia 18 de novembro segunda-feira (Dia Nacional do Formador), na Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu.

Uma organização conjunta do Forma-te Portal Dos FormadoresInstituto Politécnico de Viseu e da PsicoSoma Viseu, com o Apoio Institucional da ANQEP – Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional e do IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P.

A VI edição de 2018 foi um sucesso em Leiria, contou com mais de 250 participantes, formadores, professores, educadores, estudantes e demais interessados pela magia da formação.

Em 2019 o VII Encontro Nacional de Formadores será em Viseu, após um estreitar de desafios, opiniões e desejos entre Mário Martins (Forma-te) e Julien Diogo (PsicoSoma), o Forma-te considerou Viseu a melhor cidade para receber a VII em 2019.

Pode marcar desde já na agenda o dia 18 de Novembro de 2019, no Dia Nacional do Formador, com o tema: “COMO APRENDE O CÉREBRO? Memória, Atenção e Ligação”.

Inscrições abertas: https://www.forma-te.com/enf2019/

ComunicacaoPositiva

10 Dicas Comunicação Positiva na Formação Profissional

10 Dicas Comunicação Positiva na Formação Profissional 800 800 Julien Diogo

O mundo da formação é marcado por relações, complexas, que procuram metas diversas, que dinamizam ligações mais ou menos intensas, que fomentam a reflexão crítica ou ainda processos criativos em torno de um objetivo comum.

A capacidade de gerir essas mesmas relações, surgindo como uma das competências do futuro segundo o World Economic Forum, é um dos desafios da formação profissional.

Captura de ecrã 2019-09-06, às 15.03.04

Nas experiências formativas que a PsicoSoma tem promovido, desde da Formação de Formadores, Pós-Graduações, Master ou ainda Aulas Abertas, entre outras, tem se verificado um denominador comum para a criação de relações pedagógicas saudáveis e produtivas: a comunicação positiva.

A comunicação positiva é uma forma de comunicação/expressão que nos permite manter relações de confiança tendo presentes os pontos de vista e as necessidades do outro, interligando aqui conceitos como empatia, assertividade e escuta ativa.

De facto, a formação só faz sentido, porque temos elementos ativos a interagir, formando com formandos, formandos com facilitadores, facilitadores com equipa pedagógica, etc…

Para que uma comunicação positiva ocorra, os intervenientes devem promover uma inteligência emocional e praticar a estrutura de um diálogo positivo. Essa combinação permite que a ocorrência de conflitos diminua, melhora a eficácia e eficiência da comunicação e evita que o interlocutor assuma uma atitude defensiva.

Na estrutura de um diálogo positivo encontramos quatro elementos que merecem a nossa atenção: o emissor, o receptor, o conteúdo da mensagem e a forma como a mesma é transmitida.

  • O emissor, que é aquele que emite a mensagem, necessita conhecer a sua dimensão, personalidade e atitudes, para ajustar conceitos, tom de voz, pausas ao seu próprio perfil.
  • O recetor, a pessoa que recebe a mensagem, deve ser ajudado no sentido de promover motivação, atenção e concentração. Sem esquecer as técnicas de memorização (Tema de um próximo artigo) que auxiliam no processo de aprendizagem.
  • O próprio conteúdo da mensagem deve ser oferecido em pequenos quadros temporais, surgir como claro, objetivo, livre de julgamento, opiniões e observações sem fundamento. A indicação de referências, livros, artigos é fundamental para limitar o espaço de dúvida.
  • E por fim, o meio como a mensagem é transmitida, tanto a nível da comunicação verbal como da comunicação não verbal. Mais do que a aquilo que se diz, é a forma como se diz. Olhares, mãos, espaço ocupado, são alguns aspectos a considerar.

Articular os fatores que referenciamos acima irá favorecer uma comunicação positiva no seio da formação profissional. Quando se associa a comunicação positiva a a uma questão de identidade, cria-se um obstáculo ao seu alcance. Comunicar-se positivamente é uma questão de treino, saber o caminho que devemos seguir e usar as ferramentas corretas.

Vejamos 10 dicas de Comunicação Positiva que o poderão ajudar a estabelecer uma relação pedagógica de referência com os seus formandos:

  1. Postura com Energia, traga boa disposição, novidades positivas, algo grátis para os seus formandos que pode ser o acesso a um recurso didático;
  2. Eliminar o “EU” da comunicação, evitando centrar o discurso na sua pessoa, dores e emoções;
  3. Estabeleça proximidade, sente-se ao mesmo nível dos formandos, participe nas dinâmicas junto deles pela via de estações de aprendizagem;
  4. Promova o Efeito IKEA no seu grupo, envolva os formandos na construção da ideia, do conteúdo a ser debatido, e torne o formando num elemento co-criador;
  5. Promova a empatia, pela escuta-ativa, respeito pelas crenças e valores.
  6. Tom amigável no dicurso, frases como “Deixe-me ajudá-lo com isso,” “Ajudá-lo-ei com prazer,” e “Há algo mais em que o possa ajudar?”, retire o “Não” nos momentos iniciais ao seu discurso;
  7. Fomente a Formação em Espiral, aumenta a motivação e auto-estima nos formandos. Faça sínteses várias vezes ao longo da formação interligando as experiências dos formandos com os temas.
  8. Diversificar os recursos didáticos e o tipo de estímulos de aprendizagem, visando respeitar os formandos mais visuais, auditivos ou cinestésicos.
  9. Verbalize sempre os sentimentos, peça em vez de exigir, retire as palavras “problema”, “sala”, “aluno”, “formador” do seu discurso.
  10. Face a uma dinâmica: role playing, action maze ou autoscopia, antes de dar o feedback, organize as informações, faça anotações, releia, e depois partilhe e demonstre interesse pelo que viu. Siga sempre a regra: 3 elogios para 1 elemento a melhorar, o aspecto a melhorar será encarado como um desafio e não um problema.

Desta forma, a comunicação é capaz de promover coesão; aumentar desempenho, criar concordâncias e unidade em processos e diretrizes.

Esperamos que estas dicas venham a ser úteis para todos os Facilitadores que visam melhorar a cada dia.

#Comunicacao #Positiva #PsicoSoma

____________

Sofia Rodrigues (Departamento de Marketing e Comunicação
e Julien Diogo (Coordenador Pedagógico PsicoSoma).

©PsicoSoma – 2019

Cópia de FPIF 2019 – Novo

40h de Formação obrigatória

40h de Formação obrigatória 800 800 Julien Diogo

Publicas a 4 de setembro, e aprovadas as alterações à lei laboral. Os colaboradores vão passar a ter direito a, no mínimo, 40 horas de formação por ano, em vez das atuais 35 horas.

Captura de ecrã 2019-09-06, às 12.22.31As alterações aprovadas à lei laboral recaem sobre dois pontos fulcrais: Aumento do número mínimo de formação contínua para as 40h e a Eliminação da norma que, segundo a qual, o trabalhador que não utilize as horas de formação previstas na lei, no prazo de 3 anos, deixe de a elas ter direito.

A formação profissional deve ser encarada como uma experiência capaz de aumentar e consolidar conhecimento do capital humano da empresa, promovendo competências ajustadas às suas práticas laborais, melhorando os índices de produtividade, competitividade e ainda o próprio envolvidos dos colaboradores.

É ainda importante destacar que o não cumprimento desta lei constitui uma contra ordenação grave para as empresas, que resulta em coimas aplicadas pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

A PsicoSoma apoia a sua empresa a criar o melhor diagnóstico, e assim construir uma proposta formativa ajustada e inovadora, capaz de permitir o cumprimento da formação obrigatória.

Entre em contacto via PsicoSoma, viseu@psicosoma.pt ou 232 431 060.

ARTIGO (1)

Tendências em Formação para 2020

Tendências em Formação para 2020 800 800 Julien Diogo

A constante evolução tecnológica continua a trazer mudanças significativas na área da educação e formação, lançando sempre novos desafios aos formadores que precisam acompanhar as tendências de forma a cativar os formandos, tornando a formação/ aprendizagem numa experiência dinâmica, criativa, simples e enriquecedora.

As tendências mais populares são definidas de acordo com base em dados quantitativos, que são mensurados através das pesquisas feitas pelos utilizadores nos motores de busca, assim como nas redes sociais.

Segundo o site “eLearning Learning” e artigos como o “2019/2020 Learning Trends” publicado no site “bottom line performance”, “6 Popular Trends in ELearning” do “learndash” e ainda “The Future of Workplace Learning: Top Trends and Predictions for 2019-2020“ do “indecommdigital”, estas são algumas das futuras tendências em educação e formação para 2020.

Microlearning

A tendência do microlearning consiste em transmitir pequenas doses de conhecimento que incluem pequenos vídeos (3-4 minutos). Este método de ensino utiliza uma linguagem simples e de fácil compreensão. Três das vantagens do microlearnig são: os conteúdos pequenos, a economia de tempo e a fácil manutenção. Uma das vantagens para o formando é que este é um método rápido, acessível e personalizado.

Gamification

Gamification, o conceito que torna o processo de aprendizagem numa experiência de gaming. Esta é uma tendência que se define como sendo uma estratégia de interação, que pode e deve ser utilizada no contexto de formação. Consiste em definir tarefas e oferecer incentivos/recompensas (virtuais ou físicos) na realização das mesmas. Além de ser uma tendência que tem um grande potencial de crescimento, potencia a criatividade, a cooperação a a competitividade (saudável) entre formandos (ou colaboradores, no caso de empresas). Quando o cérebro sabe que vai receber uma recompensa liberta dopamina, um neurotransmissor associado ao prazer, que tem como objetivo ativar os circuitos de recompensa do cérebro. Atualmente, já existem plataformas (como a Gametize) que permitem criar jogos de forma grátis. Empresas como a Altran, a Bee Engineering, a NovaBase ou a SDG já aplicam gamification na sua estratégia de engajamento para com os colaboradores e clientes. O McDonald’s também utiliza esta estratégia como forma de treino dos seus colaboradores, neste caso em específico criar um jogo em que, o colaborador tem quem montar o hambúrguer perfeito, no fim é dada uma pontuação e dicas acerca de aspetos que podem melhorar.

Chatbot

Dentro da inteligência virtual, temos a tendência do chatbot, que na aprendizagem consiste numa espécie de assistente virtual que comunica e interage através de mensagens de texto automáticas. O chatbot mais indicado no contexto de aprendizagem é aquele que possui inteligência artificial , onde o software regista as palavras que estão a ser escritas e dá respostas com sugestões que vão de encontro ao tema em questão. Este serviço automático pode ser utilizado nas plataformas e-learning/b-learning, sendo uma forma rápida de responder a questões mais generalizadas que os formandos possam ter, como por exemplo, em relação ao funcionamento da mesma.

Video Learning

Esta tendência veio para ficar, até porque estudos comprovam que os formandos têm uma maior tendência para reterem informação que vêem em vídeos em comparação com conteúdo que seja em texto. Não estamos a falar de vídeos longos, mas sim de vídeos de curta duração (2-3 minutos), onde o facilitador consiga mostrar o seu entusiasmo e presença, de forma a conseguir captar a atenção e despertar no formando a ‘paixão’ e o interesse pelo tema. Uma estratégia muito utilizada no video learning é o storytelling que pode ser feito através de estudos de caso. Numa geração que consome muitos vídeos online com o tipo de conteúdo mais variado, o video learning acaba por ser uma tendência que agrega os avanços tecnológicos aos processos educacionais.

Soft Skills

Soft Skills são competências comportamentais, são aquilo que chamamos traços da personalidade, aptidões pessoais, capacidades sociais ou requisitos comuns, que cada vez mais vão tendo uma maior relevância e que incluem competências como: capacidade de comunicação, de escuta, empatia, pensamento critico, motivação, atitude, criatividade, entre outras. Ao contrário das Hard Skills, que estão relacionadas com as competências técnicas, as Soft Skills rodam em torno das emoções e da intuição. Estas são capacidades cada vez mais importantes porque conseguem criar um grande impacto no ambiente de trabalho.

Talvez por vivermos numa sociedade muito ligada à tecnologia, as soft skills são uma tendência de futuro, tornando as “qualidades humanas” cada vez mais valorizadas por parte das empresas.

Referências Bibliográficas 

https://www.pageuppeople.com/resource/top-11-learning-trends-for-2019/ https://www.teachthought.com/the-future-of-learning/most-popular-trends-in-education/ https://indecommdigital.com/insight/the-future-of-workplace-learning-top-trends-and- predictions-for-2019-2020/ https://insights.learnlight.com/en/articles/top-10-2019-training-trends/

Cartaz PIEC – dia 14 (1)

Apresentação do PIEC

Apresentação do PIEC 2048 2896 Julien Diogo

A “Associação de Apoio Voluntário ao Idoso Só” em Castelo Branco recebe, no dia 14 de Setembro, às 10h30, a apresentação do livro Protocolo Individual de Estimulação Cognitiva (PIEC), de Susana Duarte.

Susana Duarte irá falar acerca da sua obra, um trabalho que a mesma carateriza como sendo o “reflexo de anos de dedicação ao desenvolvimento de soluções na área da geriatria”. Um Protocolo inovador, uma ferramenta de orientação, com 25 sessões práticas e cerca de 250 sugestões de atividades, que tem como objetivo melhorar, através da estimulação cognitiva, a qualidade de vida e o nível de autonomia de pessoas com funções cognitivas limitadas.

A autora convida todos a estarem presentes neste evento que irá também contar com a atuação especial do grupo musical Clave do Viriato e com a presença do Dr. Borga, Drª. Sara Alvarengas e Drª. Ana Sofia Freitas.

FPIF 2019 – Novo

Formação de Formadores, de cara lavada!

Formação de Formadores, de cara lavada! 800 800 Julien Diogo

A PsicoSoma, empresa viseense, conta já com a edição de mais 60 obras PsicoSoma, a comercialização de mais de 10.000 títulos técnicos, criação e idealização de mais de 20 conceitos de negócio, uma oferta de formação profissional que impactou já mais de 6.000 pessoas, e ainda cerca de 35 eventos científicos.

O desafio para 2019, era o de atualizar e inovar a sua Formação Pedagógica Inicial de Formadores BLearning, uma experiência formativa única, que se tem afirmado como um elemento diferenciador capaz de superar as expectativas dos seus participantes.

A equipa PsicoSoma procedeu a uma renovação e atualização dos seus conteúdos programáticos, metodologias e técnicas desenvolvidas, bem como dos pontos de avaliação, e ainda a criação de uma nova plataforma de elearning, mais intuitiva e ajustada a todos os dispositivos móveis.

“Com estas alterações queremos continuar a oferecer o melhor a todos os participantes, orientando conteúdos e atividades para as competências que o mercado exige”, afirma o Gestor da Formação PsicoSoma, Julien Diogo.

As necessidades profissionais e as expectativas do mercado alteram-se a uma elevada velocidade, sendo por isso fundamental este processo, que segundo a Dora Gouveia, Coordenadora da Formação PsicoSoma “É um processo natural de quem procura fazer mais e melhor, e com os feedback e apoio de todos os nossos formandos, fomos construído e renovando conteúdos de forma dinâmica”.

Sendo a PsicoSoma uma entidade formadora certificada pela DGERT, tendo a sua Formação Pedagógica Inicial de Formadores à distância homologada pelo IEFP (segundo Novo Referencial 2012) alinhou todas estas alterações de acordo com as diretrizes e referências do IEFP e DGERT.

 

 

 

 

Fechar Carrinho
Back to top